Plantão
Esporte

Laudo de perícia forense reafirma: Rafael Ramos, do Corinthians, não cometeu injúria racial

Publicado dia 04/06/2022 às 14h16min
Este segundo laudo elaborado pelo Corinthians reafirma o que foi colocado no primeiro, divulgado no dia 20 de maio, pelo Centro de Perícias de Curitiba.

A segunda perícia contratada pelo Corinthians para o caso envolvendo uma suposta injúria racial cometida pelo jogador Rafael Ramos a Edenilson, do Internacional, reforça que o jogador português não proferiu a palavra “macaco”.

O laudo, emitido pela The Perfect Link Forensics, empresa especializada em perícia forense em diversas áreas do conhecimento, conclui que Ramos disse a expressão “F…, mano, c…”, que possui oito sílabas e oito fonemas, diferentemente do que teria sido ouvido por Edenilson, “F…, macaco”, que possui seis sílabas e seis fonemas.

“A comparação entre os fonemas de ambas as expressões demonstra, além da diferença de extensão da pronúncia (dois fonemas a mais), diferença de tonicidade, sobretudo na segunda palavra, pois o segundo fonema da palavra “macaco”, o fonema “ˈka” é tônico, diferentemente do segundo e último fonema da palavra “mano”, o fonema “nu”, que é átono”, diz laudo a que a Gazeta Esportiva teve acesso.

Laudo de perícia forense reafirma: Rafael Ramos, do Corinthians, não cometeu injúria racial© Fornecido por Gazeta EsportivaLaudo de perícia forense reafirma: Rafael Ramos, do Corinthians, não cometeu injúria racial - Vídeo foi analisado em câmera lenta e em frames separados (Foto: Reprodução)

A nova perícia possui 44 páginas e foi elaborada no dia 2 de junho, quinta-feira, três dias depois de Rafael Ramos ter prestado depoimento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, reafirmando que não proferiu o xingamento racista. A perícia da Polícia Civil, que investiga o caso, será concluída e entregue nesta sexta-feira.

Três vídeos foram analisados para se chegar à conclusão da perícia forense. Além disso, há diversas comprovações técnicas de que os conteúdos são íntegros, com a finalidade de mostrar que não sofreram edição posterior.

“A análise do vídeo em câmera lenta, bem como a análise dos frames desta parte do vídeo, transcritos neste trabalho, permite verificar que a pronúncia do atleta Rafael Antônio Figueiredo Ramos, do segundo fonema do segundo vocábulo é átono (“nu”, de “maNO”) e não tônico (“ˈka” de maCAco)”, segue o laudo, concluindo que:

“A análise do vídeo em câmera lenta, somada à análise dos vocábulos pôde comprovar que o que foi pronunciado pelo atleta Rafael Antônio Figueiredo Ramos foi de fato a expressão que este alegou ter pronunciado, ou seja: ‘F… mano, c…’ e não a expressão que o atleta Edenílson Andrade dos Santos julga ter ouvido: ‘F…, macaco’”.

A The Perfect Link, empresa de perícia e auditoria com 26 anos de atuação, é referência na Perícia Forense em diversas áreas do conhecimento e líder no segmento de auditoria de processos eleitorais e eventos na internet, localizada em sede própria no bairro da Barra Funda, em São Paulo.

Este segundo laudo elaborado pelo Corinthians reafirma o que foi colocado no primeiro, divulgado no dia 20 de maio, pelo Centro de Perícias de Curitiba. Aquele documento, de 12 páginas, foi assinado por Anderson Marcondes Santana Júnior, Daniela Cristina Silva Lima Ramos Guidugli e Giovana Giroto, pessoas que possuem deficiência auditiva bilateral de grau severo a profundo desde a infância.

Na próxima semana, o atleta Edenilson prestará depoimento ao STJD para dar sua versão dos fatos, assim como Ramos na última segunda-feira. O caso só se tornará um processo de fato caso os responsáveis entendam que existem elementos mínimos para a abertura de um procedimento, tanto no âmbito desportivo quanto na esfera criminal.

Entenda o caso

O Internacional recebeu o Corinthians no dia 14 de maio, no Beira-Rio, em partida válida pela sexta rodada do Brasileirão. Na ocasião, durante uma disputa de bola, Edenilson alegou ter ouvido a palavra “macaco” proferida pelo atleta português Rafael Ramos.

O meia colorado abriu um boletim de ocorrência relatando o fato, e Rafael acabou preso em flagrante pela Polícia dentro do estádio pelo crime de injúria racial. O clube paulista pagou a fiança de R$ 10 mil e ele foi solto para responder em liberdade. Confira o posicionamento do Corinthians.

Rafael Ramos falou que tudo não passou de um mal-entendido e foi até o vestiário do Internacional para falar com Edenilson. O meia, por outro lado, reafirmou, mais tarde, que ouviu a palavra macaco. O Corinthians ainda contratou uma perícia, que confirmou que ele não cometeu o crime – é importante lembrar, porém, que o laudo que será utilizado pela Polícia Civil não será o mesmo.

Rafael Ramos voltou a atuar após o episódio no último domingo, no empate por 1 a 1 contra o América-MG. Ele foi titular e jogou os 90 minutos.

 

 

Fonte: Gazeta Esportiva Divulgação: scctv.net.br