>>> Escute nossa rádio enquanto ler o artigo <<<

O Ibovespa, principal índice acionário da bolsa de valores brasileira, a B3, encerrou a sessão desta sexta-feira (22) em alta e se aproximou dos 133 mil pontos.

Bolsa cai mais de 1% e dólar sobe para R$ 4,95 com alta dos treasuries

Geral

O mercado financeiro iniciou a semana em aversão a risco. Nesta segunda-feira (4), investidores repercutem a alta nos juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os treasuries.

Às 17h15, o Ibovespa recuava 1,16%, a 126.692 pontos. O dólar fechou em alta de 1,38%, a R$ 4,9478. Na sexta (1º), a moeda americana terminou o pregão cotada a R$ 4,88.

Em Wall Street, os principais índices acionários também operam em queda. O S&P 500 caía 0,73% e o Dow Jones, 0,16%. O Nasdaq recuava 1,16%.

O viés negativo no mercado de renda variável global reflete a alta dos rendimentos dos treasuries. O rendimento do título de dez anos do governo dos EUA sobe a 4,29%, ante 4,22% no pregão anterior —o menor patamar em três meses. O título de dois anos sobe 0,08 ponto percentual para 4,65%

Na semana passada, o dólar teve sua terceira semana seguida de queda, em linha com ao recuo nas taxas de juro americanas, uma vez que vêm crescendo as apostas de que o Fed (Banco Central dos EUA) teria encerrado seu ciclo de aperto monetário, podendo começar a cortar os juros no primeiro semestre do ano que vem.

Buscando balizar essas expectativas, investidores voltarão suas atenções para o Jolts e o payroll, relatórios do mercado de trabalho americano que serão divulgados na terça (5) e na sexta (8), respectivamente. Dados fracos tendem a reforçar apostas num Fed mais brando, mas surpresas para cima provavelmente reverteriam o recente otimismo do mercado global, podendo elevar a demanda pela segurança do dólar.

“A questão agora é se a queda das taxas e do dólar foram excessivas. Informações cruciais sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos nesta semana devem ajudar tanto os mercados quanto o Federal Reserve a responder a essa pergunta”, disse Eduardo Moutinho, analista de mercado da Ebury.

Por enquanto, a economia americana vai dando sinais de desaceleração. As novas encomendas de produtos fabricados nos EUA caíram mais do que o esperado em outubro, na maior queda mensal em três anos e meio, diante do enfraquecimento da demanda por bens duráveis e equipamentos de transportes.

Os pedidos caíram 3,6% após queda de 2,3% em setembro, em dado revisado para baixo, informou o Departamento de Comércio nesta segunda, a maior queda desde abril de 2020. Economistas consultados pela Reuters previam que os pedidos diminuiriam 2,8%. Na comparação com outubro de 2022, as encomendas avançaram 0,5%.

Também colaborava para a alta da divisa americana frente ao real nesta sessão a queda nos preços de commodities importantes, como petróleo e minério de ferro.

O barril de petróleo Brent (referência internacional) cai 1%, a US$ 78,07. O minério de ferro, por sua vez, cedeu 1,14%, a 958 iuanes (US$ 135) a tonelada, na Bolsa chinesa de Dalian, menor valor desde 30 de novembro.

Além disso, o mercado reflete a estimativa de uma inflação mais alta em 2023 e em 2024, segundo o boletim Focus, e a alta no rendimento dos títulos do Tesouro americano.

Os economistas ouvidos pelo BC (Banco Central) agora esperam que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deste ano seja 0,01 ponto percentual maior em relação à semana anterior, a 4,54%. Para 2024, a estimativa também aumentou 0,01 ponto percentual, para 3,92%. Para 2025 e 2026, houve manutenção da inflação em 3,5%.

Preços mais altos podem ameaçar o ciclo de corte da Selic, que está a 12,25% ao ano. Atualmente, a expectativa é que o juro caia a 9,25% ao fim de 2024.

Os juros futuros brasileiros acompanharam os treasuries e o temor a uma inflação mais alta. Após completar na sexta (1º) a quinta sessão consecutiva de baixa, as taxas dos DIs voltaram a subir.

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,335%, ante 10,28% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,02%, ante 9,911% do ajuste anterior. A taxa para janeiro de 2027 estava em 10,165%, ante 10,02%.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,435%, ante 10,289%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,87%, ante 10,716%.

Além dos dados americanos, outro ponto de atenção para os investidores é o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil no terceiro trimestre, que será divulgado na terça (5) e dados fiscais, com superávit orçamentário e relação dívida/PIB, divulgados na quarta (6).

Foto: Folhapress – Divulgação: scctv.net.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *